O Triunfo dos Porcos – George Orwell

 

Todas as fábulas têm um carácter infantil, mas esta é uma história de e para adultos.
Tal como em “1984”, também aqui manipulação é explorada, sendo associada a outros factores como o da ignorância. A história passa-se numa quinta onde os animais, cansados de servirem apenas os interesses do Homem, tomam posse desta, colocando a esperança num futuro melhor que lhes concedesse a tão desejada liberdade. Publicado em 1945, este clássico americano é uma crítica ao Estalinismo e às falsas expectativas que o Partido Bolchevique trouxe com a derrota do czarismo.

 

O homem é o único verdadeiro inimigo que temos. Retirando o Homem da cena, a causa principal da fome e do excesso de trabalho desaparecerá para sempre. O homem é a única criatura que consume sem produzir.

O Homem não serve os interesses de nenhuma criatura excepto ele próprio.

Os seus mais fiéis discípulos eram os dois cavalos da carroça, Boxer e Clover. Ambos tinham grande dificuldade em pensar por si próprios, mas, tendo aceitado os porcos como professores, absorviam tudo o que lhes era dito e transmitiam-no aos outros animais através de argumentos simples.

Eram sempre os porcos que apresentavam as resoluções. Os outros animais compreendiam como se votava, mas não conseguiam ter ideias próprias.

(…) Clover ficou com os olhos cheios de lágrimas. (…) Se ela tivesse podido visionar o futuro, teria idealizado uma sociedade de animais livres da fome e do chicote, todos iguais, cada um trabalhando segundo a sua capacidade, os fortes protegendo os fracos, como ela protegera com a pata a última ninhada de pratinhos, na noite do discurso de Major. (…) tinham chegado a um ponto em que ninguém se atrevia a dizer o que pensava, com cães ferozes e ameaçadores deambulando por todo o lado (…). Ela sabia que, mesmo assim, estavam muito melhor do que no tempo dos seres humanos.

Não havia agora dúvidas sobre o que estava a acontecer às caras dos porcos. Os animais que estavam lá fora olhavam dos porcos para os homens, dos homens para os porcos e novamente dos porcos para os homens; mas já não era possível dizer quem era quem.

Capa do livro "O Triunfo dos Porcos"   Capa do livro "O Triunfo dos Porcos"Capa do livro "O Triunfo dos Porcos"