Mescalina, o alucinogénio de “As Portas da Percepção”

 

Identificada pela primeira vez em 1896 pelo químico alemão Arthur Heffter, a mescalina é um alucinogénio natural presente nos cactos San Pedro e Peyote (Lophophora williamsii) que crescem nas zonas desérticas do Perú e México.

As primeiras experiências com esta substância são atribuídas aos xamãs de tribos tribos pré-hispânicas como os Chavin e os Huichol, que a utilizavam nos seus rituais espirituais.

Com o livro “As Portas da Percepção” de Aldoux Huxley, a mescalina assim como os seus efeitos foram divulgados. 

Segundo o autor, agentes químicos como a mescalina e o LSD possuem a capacidade de expandir os limites da percepção humana, que se encontram naturalmente fechados por um mecanismo de filtros.

Sem elementos bloqueadores como medos ou outro tipo de crenças limitantes, a nossa consciência abrir-se-ia a captar o mundo de outra forma, tornando muito diferente a nossa percepção e a forma como nos relacionamos com ele.

Os efeitos da mescalina são semelhantes ao do LSD mas com menos intensidade. Pode provocar a intensificação da percepção, sinestesias, distorções da imagem corporal e da percepção do espaço e do tempo, alucinações, intensificação e instabilidade emocional, aumento da capacidade sugestiva, sintomas de despersonalização e paranóia. Estes efeitos podem ser acompanhados de tremores, taquicardia, hipertensão, transpiração, visão enevoada e dilatação da pupila.

Desde 1971 que a mescalina é considerada uma droga ilícita.

 

Fontes:
https://wakeup-world.com/2017/05/06/mescaline-an-ancient-medicine-for-the-soul/ 
https://avisospsicodelicos.blogspot.pt/2009/06/mescalina-molecula-magica-do-peiotismo.html 
http://www.psicologia.pt/instrumentos/ver_ficha.php?cod=mescalina 
http://www.portalsaofrancisco.com.br/saude/mescalina 

Mescalina - cacto peyote
Foto: flickr.com zapdelight